quarta-feira, 2 de maio de 2012

CARTOON-PingoDoce:"de Janeiro a Janeiro" só no 1º de Maio!

(c) Margarida Alegria (in blog "Alegrias e Alergias,2-5-2012)
Claro que não podia deixar escapar a inspiração para Cartoon da última polémica, de ontem.
Todos devem estar a par do que se passou: a cadeia de supermercados  (ou são hiper?) "Pingo Doce". do grupo Jerónimo Martins, resolveu estar aberta, no Dia do Trabalhador, juntamente com outras ( Continente e até LIDL, este pela primeira vez. Honra seja feira ao "MiniPreço", que não abriu). Foi polémica a pressão que todos esses trabalhadores sofreram, para comparecerem nas lojas no Feriado. Foi-lhes duplicado e até triplicado o salário do dia (parece que um dos argumentos é que a melhor maneira de festejar os direitos do  TRABALHADOR era... TRABALHANDO...) Mas o mais inesperado, pelo que se sabe até para o Governo, foi terem feito uma campanha de descontos de ou até 50% em todos os produtos expostos, por cada mínimo de 100€ gastos.
Foi ver as  longas filas filmadas por todas as TVs, algumas agressões e discussões, as prateleiras rapidamente vazias, desvastadas,até. Eram filas durante horas para entrar e depois filas outras várias horas para ...pagar. Pessoas enchiam carrinhos, sacos, caixotes, os braços,os automóveis, felizes da vida. Depois pagavam 100, 200, 400 Euros ou mais, ou seja, em princípio correspondendo ao dobro do valor. Compras para um mês inteiro, dos meses... (VISIONAR AQUI o resumo de algumas DAS CENAS...  Um video pela própria Cineasta Teresa Villaverde E LER AQUI UMA NOTÍCIA DA IMPRENSA)
Os sindicatos promotores de manifestações indignaram-se pela distorção da Data. As associações comerciais acusaram o PD de  praticar "Dumping", ou seja, de vender a preços inferiores ao custo de produção. Pedem a intervenção da ASAE e dos Ministros. Não se sabe se os produtores estiveram de acordo, se os preços originais já estavam inflacionados e assim ninguém perdeu, mas o que é certo é que por todo o país foi uma loucura, acabando por muitas dessas lojas por fechar às 18horas, ou por ruptura de stocks ou para evitar mais confusões. A polícia foi chamada a lojas de algumas localidades, houve pessoas detidas e até feridas.
Foi portanto lindo ver  o "homem-sapiens-comsumistis" (inventei a palavra, calma...) a debater-se pelo "Osso" pela tocha em fogo e pela peça de caça, num país que cada vez mais cai na selvajaria, produto último e requintado do fim da linha do capitalismo: primeiro a dos "grandes", especuladores e privilegiados que não olham a meios para obter lucros, e agora da arraia-miúda de quem  não tem nada/muito mais a perder.
Atenção, não critico quem optou por aproveitar a pechincha, quando cada vez mais caro ir fazer as compras do dia-a-dia. Aproveitaram  o início do mês para encher despensas e talvez tenham beneficiado... aqueles que souberam fazer contas e ter tino.
E aí é que está um dos maiores problemas...
Primeiro, muitos dos entrevistados tinham ar  famélico de que o gastar 100 ou 200 Euros por mês ficava bastante acima do seu orçamento mensal para mercearias (e muitos admitiam-no).Muitos seleccionaram  apenas os bens essenciais que costumavam comprar e gastar (leite, massas, arroz...), mas muitos mais, ao encontrar essas prateleiras vazias, optaram mesmo assim por GASTAR, em qualquer coisa que encontrassem e desse algum jeito. Espero que depois possam proceder a trocas directas com vizinhos, senão estou a ver o fim do mês muito amargo para milhares ou milhões... E qualquer pessoa que vai a hipermercados sem uma LISTA rígida sabe bem como facilmente nos perdemos e acabamos por comprar algumas coisas desnecessárias. Que atire a "primeira pedra quem nunca o fez! Eu já fiz! E a técnica  de marketing de mudança de lugares aos produtos tantas e tantas vezes, faz que nem com "palas" seja fácil evitar tentações nos longos corredores dos hipermercados.
Também não me parece que os clientes desvairados tenham tido tempo para olhar para os prazos de validade do que compraram, nem para comparar com os preços habituais dos mesmos.
E finalmente não critico quem lá foi comprar para revender. Houve oportunidade, por via honesta, ou pelo menos legal, e aproveitaram. Fizeram bem e vão ganhar algum.
Em suma, sempre houve promoções pelo mundo que vive da adoração do dinheiro como valor absoluto e da indigência de muitos para proveito de uns tantos. Oa consumidores muitas vezes têm mesmo de aproveitar...
O que critico sobretudo é :
- A desprezível escolha deste dia para fazer tal promoção, um nítido desafio ao dia do trabalhador, não só por quase obrigarem os colaboradores a abdicar da folga que tinham por lei, mas também para uma espécie de demonstração de que o que o povo quer é "Pão e Circo" e o Generoso Alexandre Soares dos Santos lá está para fornecer umas "borlas" de  (côdeas de ) pão! A troça ao sentido de feriado como descanso e como Comemoração da conquista dos Direitos dos trabalhadores,  Direitos afinal já moribundos de novo. PREPAREM-SE: depois disto, a próxima Concertação Social verá ser proposta a abolição de mais este feriado (que até muitos já não tinham, alegam por aí...)... Soares dos Santos e os outros "protectores do Povo" (não é nesse tipo de suserano que se arvora tantas vezes?) devem estar a rir às gargalhadas do pobre, alienado e pouco crítico povinho portuga.E também passarão a dizer: afinal ainda podem ganhar menos, pois tiveram tantas centenas de euros para gastar num dia! E tentarão desvalorizar ainda mais o preço do trabalho."Escrevam" o que eu digo!
- Também critico a falta de memória de muita gente: então  não se haviam indignado há uns meses, porque S. dos Santos ia pagar impostos numa off-shore na Holanda, alegando as medidas de austeridade e a burocracia, quando reclamava sacrifícios para todos? Toda a gente quis boicotar. Nunca mais comprariam no Pingo Doce, etc. As pessoas criticam, mas depois (como agora) até ajudam à fuga de capital.
- Não me parece correcta, igualmente, a ausência de solidariedade dos portugueses, que neste dia nem sequer deveriam pôr os pés nas lojas abertas, forçando assim os patrões a voltar a dar a folga aos seus empregados neste feriado Nacional e Internacional, a não se aproveitarem da crise para pedirem mais sacrifícios ao troco de alguns tostões mais, bem-vindos, claro...
- E finalmente, o que se atesta pela B-d acima, julgo que as pessoas que fizeram aquelas figuras  terceiro-mundistas não mais poderão reclamar dos seus próprios direitos, nem dizer que não vale a pena isto nem aquilo! Pelo que vimos, quando mexe na barriguinha,NO CONSUMO as pessoas até se mexem, nem que seja para se arruinarem desmioladamente até ao fim do mês.Já quando vêem cortada a Liberdade e a Democracia... ai ai... paciência, tem de ser, ou (esta é a minha deixa "favorita"): "ELES é que mandam, o que é que se pode fazer?..." 
OU SEJA: foi mais uma triste prova de que, acreditando em vários historiadores e sociólogos, o POVO PORTUGUÊS É ESSENCIALMENTE MUITO INDIVIDUALISTA! Quase nunca se mexe pelos outros, àparte condoer-se em algumas campanhas, mas não considera que participar em manifestações ou protestos pelos direitos roubados valha a pena, que não é luta sua. OS OUTROS que se mexam por si e por eles. Por exemplo, os capitães de Abril deram-nos a Liberdade, disseram aos civis "Agora tratem do resto" e depois foi o que se viu. Uns poucos oportunistas assaltaram os lugares-chave e reinam até agora e o povo ficou impávido, um pouco como certos relaxados africanos esperam que a fruta caia das árvores para a comer.... Os portugueses ficam à espera das migalhas de benesses que caem de 4 em 4 anos, antes de cada eleição. Aceitam tudo o que vem, atiram-se às "promoções" de subsídios novos, direitos e de leis, mas fecham os olhos às leis que são traçadas para beneficiar os maiorais e tramar todos os restantes. Reclamam por não haver já iogurtes ou pelo atraso dos transportes, mas nada fazem para travar quem encerra linhas de comboio e carreiras de autocarros ou aumenta o preço dos passes, por quem importa  fruta e iogurtes estrangeiros quando os produtos portugueses definham.
Foi triste o desprezo bacoco de Passos Coelho perante as posições de alguns que não quiseram estar nas comemorações oficiais do 25 de Abril, dizendo que queriam protagonismo! Ele, um jovem sem currículo e que deve  o estar onde está graças ao golpe de Estado onde nem ele nem os seus amigos poderosos tiveram quaquer papel. Da mesma  forma foi triste ontem ver o espectáculo de um povo que já rasgou oceanos a atirar-se às prateleiras de uma mercearia gigante, a comprar muita coisa de que certamente não vai precisar  e tanta coisa que poderá vir a deitar fora.
A atitude de S.dos Santos e do seu Pingo Doce foi um teste ao que o Zé Povo mais valorizava no dia do trabalhador. E foi uma bela maneira de dspachar stocks e monos.
Não precisava de recorrer à humilhação dos pobres (e tantos lhe teceram loas, depois!) para comprovar que qualquer Zé Povo, ao cair na miséria, não pensa e só pensa em sobreviver, a comidinha, uns tostões, umas migalhas...
Já para esgotar os stocks, então porque não faz o que reclama na publicidade cantada ao Pingo Doce: NÃO PRECISAR DE "PROMOÇÕES nem de cartões"  e fazer os preços baixos "O Ano inteiro, DE JANEIRO a JANEIRO" e não logo em cima do mítico 1 de Maio...
Depois não se queixem, queridos portugueses. E não venham um dia reclamar se o patrão lhes disser: Qual Feriado... O dia do TRABALHADOR É PARA ...TRABALHAR,seus piegas! :((
Margarida Alegria (2-5-2012, in blog "Alegrias e Alergias).
 NOTA:Como disse no próprio Cartoon, tenho todo o gosto que divulguem e "levem" o mesmo(e outros que já fiz), se gostarem. Se  lembro o Copyright é só para realçar que é decente mencionarem a origem e autoria do cartoon, que dá trabalho q.b e não nasce do "ar" por geração espontânea, e que me digam (em comentário) que o vão divulgar e onde. Só não consinto que seja usado par fins comerciais nem para divulgações ideológicas que não rimem com a minha consciência nem com a dignidade Humana. O.K?

30 comentários:

  1. Antes de mais, não li o teu post. Virei mais tarde, com tempo, como mereces.
    Por ora é só para te desafiar com o selo que poderás 'decorar' o teu verde.
    Aproveita para tentares decifrar as minhas mentiras e ficarei contente quando te puder desvendar.
    Umm beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada!
      Isso das mentiras é um post?
      Já vou ver.
      Olá, Pérola.

      Eliminar
  2. Observei e gargalhei com o cartoon.
    Li a tua reportagem humorada, bem documentada e,como sempre, muito bem escrita.
    Em relação aos saldos, sempre a favor, até dos saldos das couves. Pena tenho que não sejam diários, sem que aumentem os preços para depois os baixarem ficticiamente, claro está.
    Quanto a trabalhar-se no dia 1 de maio, como feriado que é, igual aos outros, poderá deixar de existir se o legislador quiser. Os empregados de supermercado não são mais trabalhadores do que os enfermeiros, os bombeiros e mais não sei quantas milhares de profissões em que se trabalha todos os dias.
    Temos de começar a saber dividir as coisas. O dia do trabalhador foi criado, gerado, nos entusiasmos das reinvindicações dos empregados fabris e afins. Atualmente, não sei o sentido que terá. É dia do trabalhador, mas se todos os trabalhadores do mundo parassem para celebrar o seu dia, que seria da Terra?
    Tudo bem, houve aproveitamente politico, houve.
    O povo portou-se como sempre: tenta 'desenrrascar-se', se houver arroz a 0,50€ porque diabo o irá comprar a 1€?
    Claro que há sempre pessoas que não têm senso, pois não.
    Isto é mais um episódio do que somos há séculos.Para quê tanto espanto? Se ainda fosse alterar o estado das coisas, eu ficaria mais que espantada, entraria em estado de choque.
    Querida Alegria, Já conheces o País e o seu povo. Não mudamos. Façam as manifestações que fizerem. Infelizmente é assim. Somos uns 'olhadores'compulsivos dos nossos umbigos. O 'bigo' dos outros não interessa para nada. Falo disso no post de amanhã sobre os direitos humanos.
    Acalma-te! amanhã haverá outra noticia para nos fazer esquecer na miséria e nos assuntos sérios em que estamos mergulhados. O governo agradece e o Pingo Doce também. Já viste a quantidade de publicidade gratuita. Podem ter perdido nas margens, mas o que pouparam em publicidade...valha-nos Deus.
    Um grande beijinho e desculpa as gralhas, mas estou empolgada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão em muito do que dizes. Menos, a meu ver, numa coisa: de que o povo português nunca há-de mudar.
      Por mim, a Esperrança para essa mudança está numa coisa: a Educação.
      É por isso que os poderes têm uma relação ambígua com ela:tanto dizem que têm "paixão" por ela, como se assustam com os horizontes que a Educação pod abrir às crianças e jovens, aos povos. Só a Educação dá total Liberdade, Senão é como canta o Rui Veloso em "A gente não Lê": "fica-se sentado à soleira/ a ouvir os ruídos do Mundo/ e a entendê-los à nossa maneira."
      Há uma compreensão do mundo, e o português tem isso, pois é vivo e esperto, mas sem completar a Educação há todo um Mundo que se lhes fecha. Como se viu no caso Pingo Doce: entendimento básico- se os trabalhadores, embora exaustos, ganhavam o dobro da sua diária, então já podiam perder o feriado,apesar de estarem renitentes. Também, ao contrário de ti, acho que é um feriado a respeitar, aliás como todos os outros. Se formo ao significado, há tantos outros outros cuja origem é remota pode ter perdido certo sentido... e países como s Suécia têm mais feriados que nós e não abdicam deles, são a sua História e Cultura.Não são criados ao acaso, os feriados. E tenho aqui um post sobre isso, de 1 de Dezembro: acho que aboli-los não enriquece o país, só põe ainda mais gente no desemprego.É uma falsa questão.
      Por exemplo, hã muitas profissões em que as pessoas podem fazer "pontes", dando um jeitinho aqui e ali. Já os trabalhadores fabris não podem e o feriado, além do domingo é dos poucos tempos para descanso e estar com a família. Pena que tantos o fossem gastar em hipermercados.No caso das caixas de supers, têm um dia de folga para compensar não terem por vezes nem o Domingo. São pessoas com família, filhos, amigos para visitar, vidas complicadas. Todos os feriados que nos possam parecer obsoletos são de menos!
      Quanto aos enfermeiros etc.trabalham por turnos e nem todos os serviços são essenciais como esse nos hospitais. Pode dar jeito ter hipers abertos aos Domingos, mas acho que por princípio não devem estar abertos, para preservar outros valores, como os direitos ao lazer e à família. Seria mais justo as pessoas largarem o trabalho às 5h, como nos considerados felizes países nórdicos, para se ir buscar os filhos à escola, ir às compras e ao ginásio. O que chamam a regra das 8h X 3: 8h para doermir, 8 para trabalhar e 8 para a sua vida pessoal.
      Mas só imitamos o que está mal nos países que tanto gabamos... no resto somos 3º Mundo. Ou seja, temos o pior de 2 mundos: ganhar como os mais pobres e custo de vida quase como os mais ricos. Mais horas de trabalho que os alemães e ganhar 174 que eles e ainda sermos chamados de preguiçosos.
      Bem, vou ao teu blog.
      Bjs

      Eliminar
    2. ups!
      tanta gralha!
      "ganhar 1/4 parte do que eles ganham"

      Eliminar
    3. Querida Alegria,
      Gosto de sentir essa garra toda.
      Tens razão na única forma de transformção: A educação, não podia concordar mais. Mas, parece-me que esta anda pelas ruas da amargura, basta ver as familias e os jovens na atualidade,crescendo sem apoio,os pais sempre ocupados, os professores demitindo-se da sus função de educadores. Estão alé para ensinar, não para educar. Até penso que têm razão.No fundo, quem acaba por levar com tudo sºao as crianças e jovens. Como podemos exigir-lhes o que quer que seja tendo em conta o que lha damos?
      Quanto aos feriados, podem-no ser, dias a celebrar, sem fechar tudo. Sou pela liberdade. Se as pessoas preferem passar o tempo livre em supermercados, acho um grande desperdicio, mas estão no seu direito. Quantoaos trabalhadores,se trabalharem num feriado terão a folga respetiva noutro dia.
      Como estou desempregada, ter um trabalho é um previlégio,um bem precioso, que escasseia. Quem os tem que os preserve, há muita gentinha cá fora que trabalharia mais e refilaria menos. Não sou pela perda de direitos,mas a sociedade muda e as revoluões e ideais sindicais do século passado já não me fazem sentido.
      À frente:
      Já saiu opost dos direitos humanos. Depois diz o que pensas.
      Quanto aos selos, vai buscar os que tenho por lá, ofereçõ-tos com muito carinho.
      Tu podes criar um selo teu (como bem entenderes, convém escreveres oo teu enderenço de blog para te visitarem), podes fazer um post oferencendo-o ou atribuindo-o a quem quiseres.
      Podes associá-lo a um desafio: perguntas, temas, o que te vier à cabeça e depois deixas que le salte de blog em blog.
      Hápessoas que não os aceitam (podes ver a tétisq do Quadro preto riscado a giz, que aceitou o meu por 3 razões, eu sou uma delas. Fiquei vaidosa e argumenta porque não entra nessas brincadeiras.
      Sem me fazer de oferecida, se criares um selo, quero ser distinguida com tamanha honra. Desculoa a pedincha!
      Fico por aqui, vai-me visitando, eu farei o mesmo.
      Continua a tua escrita propositada. Adoro-a!
      Um beijinho muito grande e muitas alegrias.

      Eliminar
    4. Só agora vi este comentário.
      Obrigada pelas sugestões.
      Quando fizer um selo garanto-te que serás um/a dos/as destinatários!
      O problema é que não sei COMO criam o selo! Há algum modelo onde criam o dito? Como escrevem por cima da foto?
      Sim, vou visitando e aparece sempre.Depois aviso também do tal post.
      Beijinho, Pérola!

      Eliminar
  3. margarida soares franco2 de maio de 2012 às 21:19

    Tal como diz a "Pérola" no seu comentário, o que seria de todos nós se os transportes publicos, TVs, Rádios, hospitais, call-centers e muitos outros locais que dão emprego fechassem por ser o 1º de Maio ? Ou será que funcionam "sem trabalhadores"?

    Falei hoje, dia 2 de Maio, com trabalhadores do PD, já que gostava de saber a sua opinião sobre o dia de ontem. O que me disseram foi que agradecem aos seus patrões o ter-lhes dado os 50% de desconto, o dia pago a triplicar, o dia suplementar de folga e que não iam festejar este dia, porque não lhes dizia nada (penso que aqui temos que atender a que o 1º de Maio não lhes diz nada, porque não tinham nascido ou eram muito pequenos no dia 25 de Abril de 74).
    A minha empregada, que veio trabalhar hoje, disse-me que tinha lá ido e que só comprou coisas de que tinha absoluta necessidade, mas dado que estava a um preço que compensava, fê-lo em maior quantidade (dou aqui o exemplo de fraldas, papel higiénico, açucar, detergentes de loiça e roupa, amaciador e etc.). Perguntei-lhe se os prazos eram curtos ao que me respondeu que não, pois comprou as papas para o filho, iogurtes, leite, vinho para a comida, carne, atum, farinha, sal e outros que lhe dão todos, menos os iogurtes, até ao final do ano. Também penso e acho muito justo que muitas das pessoas que passam dificuldades tenham direito a poder comprar, a metade do preço, produtos que a preço normal nunca deles poderiam usufruir.

    Se fores ao site do Pingo Doce, podes ler o agradecimento de muitos portugueses aos donos do mesmo pela promoção que fizeram e que muito os ajudou, dada a dificuldade que sentem na pele no dia a dia, que nós felizmente ainda não sentimos.

    A Jerónimo Martins já avançou com um comunicado a dizer que mais dias destes irão acontecer. Que venham eles, sobretudo para os mais desfavorecidos. Quando isso voltar a acontecer, vou propor à minha empregada pagar-lhe adiantado ou dar-lhe nessa altura o subsídio de férias, para que ela possa beneficiar em pleno dessas promoções.

    Também acho estranho que se fale tanto no Pingo Doce quando o Continente, que abriu ontem, ofereceu também 75% de desconto (embora seja em cartão e a descontar em 2 vezes), o IKEA me tenha oferecido 50% de desconto nas suas lojas e restaurantes, aqui na Caparica, me tenham oferecido um 2 em 1( vamos 2 pessoas e só pagamos 1 jantar)e tudo no dia 1 de Maio....no mínimo estranho, não ??
    Já agora, apeoveito para informar que o Minipreço, bem como a maioria das lojas daqui, estiveram abertas no dia de ontem, o tal 1º de Maio...fui dar uma volta para beber um café e verifiquei isso.

    O teu Cartoon está espectacular. É, no entanto, lamentável o comportamento selvagem de alguns portugueses, mas não podemos tomar a parte pelo todo, e, infelizmente, não é só num dia como este, de promoções, que isso acontece (pelo menos aqui por estas bandas do sul).

    Do que não falei e que expuseste no teu post, acho que tens razão.

    Um grande, grande beijinho para ti da sempre amiga

    margarida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Margarida!
      Sim, o cartoon era também um exagero meu, claro.Mas creio que houbve mesmo grandes altercações!
      Como disse admito que fizessem essa promoção, mas a escolha deste dia não é muito correcta. Para mais que parecem ser modos de tentar aliciar os trabaladores para passarem a abdicar dos seus dias de folga, o que não é saudável,por mais dinheiro que tenham em troca (porque não os aumentam mensalmente, se são assim bons trabalhadores?). Como disse na resposta acima,´há valores mais importantes, como a vida familiar, cultural, de lazer, do que o simples correr /casa (trabalho,/ consumo ' trabalho. comer e dormir!
      É como darmos muitos chocolates para alegrar as crianças: podem saber-lhes bem, mas temos de pensar que é importante não viverem só de chocolates. Mais tarde ou mais cedo o corpo e a saúde, os dentes, pagam. Não devemos trocar tudo, inclusivé o devido descanso e sanidade, por dinheiro e bónus. Isto tanto em profissões como os dos caixas, como nos de administradores. Olha o que aconteceu ao tal Português do Lloyds, se não se foi abaixo por ser workhaolic? E não era por ganhar muitíssimo bem que trabalhou melhor ou foi mais útil ou não se esgotou.
      Essas ideias que agora divulgam para desvalorizar as pequenas folgas e festas que as pessoas têm, acabam por ser perigosas, Margarida. Não creio que o digas por mal, nem a Pérola, mas parece que lentamente comentadores e analistas andam a difundir nas mentes novas ideologias: nomeadamente que tudo se troca por dinheiro, que o Dinheiro é como um Deus oculto. Para mim, não é um deus a que tenhamos de submeter tudo, porque em vez de dar Liberdade, quando é o topo de tudo, dá uma prisão dourada, dourada de bónus, descontos, talões, prémios disto e daquilo, quase em troca da "alma" das pessoas...
      E com Deuses que não me dêm liberdade de escolha (como novo Deus da Austeridade "custe o que custar"--- o que custar? vender filhos às tantas? a honra?a dignidade?) com esse deuses não quero nada!
      Mas gostei do teu comentário e agradeço certos esclarecimentos. Do Mini preço ouvi eu que não abriam. O daqui não abriu. Acho mal qe passem a abrir à custa da crise. Ainda deixarão pior as mercearias...
      E, como disse acima, nem todos os serviçoe são fundamentais para um país funcionar. Transportes há menos nos feridados e fins de-semana, hospitais têm turnos e urgências... Não podemos ir por aí, até porque só aumenta o desemprego, pois abusa-se dos mesmos sem dar trabalho aos novos.
      Como disse, foi óptimo ver-te aqui! que saudades! Vou lá postar fotos pois acho que já sei como se faz! eheheh.
      Beijinhos e até já! :)

      Eliminar
  4. Quando falava de comentadores era dos oficiais, das TVs etc e não aqui dos comentadores do blog! :))

    ResponderEliminar
  5. Ah e claro que todas essas promoções como as que relatas, do IKea etc, com pessoas a pasar a noite à poerta, ou como as quw se vêm lá fora para comprar o novo IPad etc... são todas degradantes e mostar como as pessoas estão alienadas com o consumo.
    O Pingo doce pode ter "ajudado" essas pessoas que agradecem (resta saber se são todas clientes, na Net???? São tão pobres assim e agradecem na Net?... mas, ... vai prejudicar provavelmente os produtores, pois resta agora saber se as vai obrigar a baixar os preços justificando o desconto de 50% que fizeram! Espero que o Ministério investigue isso muito bem. Senão... o PD dá de um lado e rouba do outro (como sei que faz a sonae, por exemplo, do Continente). Ou como diz os outro, "não há almoços gratis"!
    Chuac! Bjs

    ResponderEliminar
  6. Margarida,

    Só verdades.
    Foi uma vergonha.
    Pobres pessoas.Uma tristeza.

    O post revela tudo o que tb penso.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o pior é que chego a pensar que a telenovela da guerra das promoções e de novo sugar das pessoas, desta vez nas poupanças mais básicas, ainda estará "no adro"... Como responderão as outras cadeias de lojas, até quando esticarão a corda da aflição das pessoas. É como se pressentissem um guerra e vá de açambarcar antes que mais coisas nos sejam roubadas e cortadas! Foi triste...
      beijinho. Magalhães!

      Eliminar
  7. Parabéns à equipa pelo blogue.
    Jerónimo Martins sem "pingo" de vergonha.
    Sou o "seguidor" mais recente. Espero e aguardo visita e comentário ao meu blogue, BioTerra, com mais de 8 anos de actividade.
    Voltarei.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, João! :)
      Mas certamente!
      Aliás já seguia o Bioterra n FB, mas agora o FBook faz desaprecer tudo! Lá irei e adicionarei à minha lista esse excelente blog!
      E é voltar, pois claro!
      Abraço

      Eliminar
  8. Um texto à maneira e muito bem esgalhado. Está aqui tudo. Vou partilhar no meu FB.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Vítor!
      Leve, sim!
      E apareça sempre. :)

      Eliminar
  9. Nada de novo.
    Só vejo Pingo Doce por onde quer que me vire.
    Ofereces-me o Cartoon, como ilustração? Farei referência a ti, tal como fiz com o post de hoje sobre os direitos humanos.
    Para quando o amor? Preciso de arejar as ideias. Preciso da tua lufada de ar freco.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, claro, podes levar o cartoon. E até podes pôr um link para este post, já agora. ;))
      Como disse acima, só peço que as pessoas indiquem a autoria e proveniência. Por vezes as pessoa pensam que precisam de andar a pagar direitos de autor e fazem o oposto,apagando as referências. Divulgar ajuda a divulgar o autor também, se devidamente creditado.
      (e o pingo Doce é meso o tema da semana, pois nos pôs todos a reflectir o rumo de degradação que o país está a tomar).
      Vou então ver esses direitos Humanos.
      Beijinho

      Eliminar
  10. Adorei Adorei o cartoon! Acho que demonstra exactamente o que se passou no Pingo doce e a vergonha que foi no comportamento das pessoas!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada,Pretty in Pink!
      Foi um dia marcante para vermos o retrato do país.
      Beijinho!

      Eliminar
  11. Grande Cunhada! "Quem fala assim não é gago!" Tens toda a razão. Vou divulgar. Beijinhos. Xana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Xana!
      E bem-vinda a comentar!Leva à vontade.
      Beijinhos a todos! :)<3

      Eliminar
  12. Boa, Maggie!!!
    Tu desperdiças o teu talento com as porcarias da escola, 'miga!! Parabéns à artista!!!! E .. já partilhei no FB..
    bjinho grande,
    ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem ,mais Annnie, nem mais! E tão pouco tempo sobra para estas coisas, quando há tantos e outros motivos para posts e cartoons. Tenho um cartoon em calha há N tempo, sobre os 30 anos do 25 de Abril, que afinal não pude publicar. com tanta coisa a suceder (caso Es.Col.A" etc), pois precisava de ser apurado para sair exactamente como imaginei(quando sair aviso, que acho que vale a pena), mas ufff! este lá saiu em cima do acontecimento, de um dia para o outro.
      E ainda há mais em rascunho! Só tropelias neste portugalzito!
      Muito obrigada! partilha à vontade, amiga!
      Beijinho e saudades!

      Eliminar
  13. O cartoon está excepcional!!
    A crítica foi mesmo na "mouche"!!

    Já faltou mais para que acabassem com o feriado do 1º de Maio... vontade não lhes falta!!
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada,mfc!
      Saiu mesmo como eu queria.
      E cá entre nós, modéstia à parte, vendo o "Bartoon" do "Público" de hoje, cheira-me que o fantástico Luís Afonso também terá andado a dar uma espreitadela aqui...:))
      Ai que querem também dar cabo de mais este feriado, não duvido.
      Aliás tenho em rascunho uma "bonecada" sobre essa polémica. Vou ver se o consigo publicar este fim-de-semana.
      Beijinhos

      Eliminar